Isekai Shokudou – Primeiras impressões


Tema/Gênero: Mistério, Comédia, Fantasia
Estúdio: Silver Link
Diretor: Masato Jinbo
Origem: Light Novel
Nº de episódios: Não divulgado

Primeira impressão escrita por Rapha

Sinopse

O restaurante ocidental Nekoya é um restaurante comum como qualquer outro, porém aos sábados, ele fecha as portas para o mundo real, e abre as portas para um mundo de fantasia, onde vários habitantes desse mundo entram no restaurante, com a única intenção de se maravilhar com os pratos exóticos que esse restaurante de outro mundo tem a oferecer.

Anime disponível no Crunchyroll

Proposta

Pela sua sinopse, podemos ver que Isekai Shokudou é mais um daqueles animês de mundo de fantasia, mas com uma proposta bem diferente do convencional, utilizando um restaurante para demonstrar vários tipos de habitantes desse mundo, sendo influenciados diretamente e indiretamente pela presença do mesmo, através de passagens episódicas. E isso vem regado de muito food porn.

A princípio, o anime soube mostrar bem a influência do restaurante nesse mundo de fantasia, como por exemplo, um de seus clientes, após experimentar o macarrão do restaurante, pediu a receita para o chefe e resolveu comercializar o prato em seu país, sendo, basicamente, o criador da massa nesse mundo. E é interessante de ver que o restaurante muda muito até a cultura desse mundo, mesmo que indiretamente. Mas isso acaba acarretando em um problema muito grande para Isekai Shokudou, que é o seu food porn, que muitas vezes é mal contextualizado, e inserido na história de qualquer forma, fazendo TODOS os personagens, desde uma exploradora de dungeons até um homem lagarto, falarem como se fossem críticos gourmet, e muitos deles falam apenas porque sim.

É diferente de Shokugeki no Souma, por exemplo, onde não só os personagens falam assim por serem críticos de comida, como ele também é excêntrico o suficiente para tal propósito, já Isekai Shokudou tenta trabalhar isso de forma mais despretensiosa, como se fosse um slice of life, e às vezes acaba surtindo um efeito pouco positivo, já que tudo gira em torno desse food porn, e isso incomoda, principalmente em seus diálogos.

Personagens

Seus personagens têm concepções bem interessantes, como o chef do Nekoya, que é um personagem que demonstra apenas ficar na dele, viver tranquilamente cozinhando, ao que parece, por pouco, já que mesmo quando os clientes comem muito e pagam com uma sacola cheia de moedas de ouro, ele pega apenas uma quantia pequena.

E outra personagem mais interessante do que o chef, é a Aletta, uma demônia que não conseguia trabalho e abrigo por puro preconceito das outras raças, e que encontrou o restaurante por coincidência, e o chef permitiu que ela trabalhasse lá durante os sábados, e lá ela não precisa esconder seus chifres dos outros.

Apesar deles serem bem interessantes, é aqui onde o maior problema da obra vem a tona, porque todas essas concepções interessantes são usadas unicamente para fazer um food porn qualquer, sem aproveitar todo o potencial deles de fato. E pra piorar, como já foi dito, todos eles parecem um crítico gourmet sem motivo algum, como por exemplo, uma exploradora de dungeon que nem tinha conhecimento do restaurante, e após degustar de um prato de lá, se torna praticamente uma crítica especializada, passando quase que uma ficha técnica do prato em questão, e essa ”gourmetizada” que os personagens acabam recebendo se torna bem incômoda, e até certo ponto, ofensiva ao espectador.

Ritmo

Como já foi falado, seu ritmo se consiste de passagens episódicas, moldadas de forma que tenham duas histórias por episódios, todas seguindo um esquema simples: primeiro apresentam um personagem e sua história até conhecer o restaurante, contextualizam a influência do restaurante para esse personagem após conhecê-lo, e finalmente, apresentam um prato x que esse personagem irá comer, e depois falar sobre ele.

Apesar de ser um molde simples de trabalhar, ele acaba acarretando em certos problemas, mesmo sendo despretensioso. O primeiro deles é seu próprio molde seguido a risca, que deixa tudo muito previsível de se acontecer, e isso acarretado com seu segundo problema, que são seus diálogos cheios de food porn, acabam por deixar a obra, de certa forma, massante. Mesmo sendo bem despretensioso, e sendo visto de forma mais leve, alguns momentos se tornam bem cansativos devido ao food porn apresentado.

Execução técnica

Sua parte técnica tem se demonstrado bem competente, começando pela animação, que mesmo não sendo muito fluida, é bem acabada, e que consiste de uma palheta de cores bem viva, que ajuda muito para os visuais, não só dos pratos, como dos cenários também, deixando tudo visivelmente mais agradável para o espectador.

A sua direção também se demonstra bem eficaz, conseguindo construir bem as cenas, até mesmo em seus momentos de food porn ficam bem feitos, e deixando tudo com um clima bem leve e relaxante para se assistir. E a sua trilha sonora também ajuda nessa leveza toda, já que todas as músicas são bem calmas, parecendo muito músicas de um restaurante chique, e que ajudam a compor o clima tanto fora, quanto dentro do restaurante, e obviamente, na hora da degustação dos pratos.

Conclusão

Enfim, assistir ou não Isekai Shokudou? Se você estiver procurando uma obra despretensiosa e episódica, com um bom visual, uma concepção de isekai diferente do habitual, e claro, aguentar todo esse food porn exagerado, é um anime interessante para se assistir e passar o tempo. Agora, se você estiver procurando por algo um pouco mais sério e com um enredo contínuo, que use seus personagens fora o food porn, Isekai Shokudou não demonstra ser uma boa escolha pra você.

Gostou? Confira mais no nosso Guia de Temporada!

 

Compartilhar
  • Gabriel

    O master chef iria adora essea anime

  • Zathe22

    Uma das coisas q gostei desse anime é a questão da história das personagens com o restaurante, nos dois primeiros episódios achei consideravelmente emocional o encontro dos personagens com o restaurante ( no primeiro ep quase chorei ) e gostei tb em comoo anime lhe transmite a emoção do personagem.

  • Jaques Kennedy de Menezes

    Apesar de soar estranho, Isekai shokudou não é propriamente um anime de culinária, como shokugeki no souma. Ele é um anime sobre o prazer de se apreciar uma boa refeição, o fato dos personagens agirem como críticos e serem tão detalhistas na descrição do prato, é a forma do anime passar a experiência sensorial para quem está assistindo a obra.